quinta-feira, 25 de maio de 2017

Independência financeira "extrema"

Fala, galera, como estão todos?

Sumi um pouco do blog pois vim visitar minha mãe aqui nos confins do Brasil e não trouxe meu Notebook.

Sem nada melhor pra fazer aqui na casa da minha querida mamãe, resolvi ler o livro do blogueiro gringo Early Retirement Extreme.

Fiquei tão impressionado com o livro que resolvi escrever o post de hoje pelo celular mesmo.

Vou chamar o blogueiro em questão de Jacob daqui pra frente, pois ficar repetindo "Early Retirement Extreme" ao longo do post vai me cansar os dedos.

Jacob mora nos EUA e alcançou a independência financeira aos 30 anos de idade, tendo parado de trabalhar para viver de renda aos 33.

Para alcançar essa meta, ele seguiu a fórmula que todos nós já conhecemos muito bem: criou uma renda passiva que supera com segurança suas despesas.

O que me impressionou no Jacob é que, para criar esse "gap" entre renda passiva e despesas, ele reduziu pra caralho as despesas, num nível que podemos chamar de extremo (talvez isso explique o nome do blog dele - Early Retirement Extreme).

Vejam só: Jacob mora dentro de um trailer de vinte e poucos metros quadrados, não tem carro, não tem televisão, fabrica os próprios itens de higiene pessoal e limpeza, tenta conservar as mesmas roupas por mais de uma década e planta muito do que come.

Ele defende no livro que é possível viver bem com 1/3 ou 1/4 do que uma pessoa de classe média gasta sem passar necessidades/viver na pobreza.

Considerando que um custo de vida baixo é aliado da aposentadoria precoce, pergunto: o que você está disposto a fazer para alcançar sua independência financeira mais rápido?

O estilo de vida do Jacob me parece bem extremo e até mesmo impraticável (quem arrisca morar num trailer aqui no Brasil?), então a conclusão que cheguei é que não conseguiria ser feliz ou me sentir seguro levando a vida que ele leva.

Por mais que eu não compreenda como é possível ser feliz da forma que ele vive, sei bem que é possível ser feliz com pouca coisa.

Não tenho carro, moro num apartamento pequeno e tenho uma despesa mensal bem baixa. Estou longe de ser extremo como o Jacob, e acho que nem desejo ser, mas sou extremo o suficiente aos olhos de muita gente.

Eu vivo feliz dessa forma, acreditem se quiser, mas é claro que recebo olhares tortos de gente que acredita que, para eu "ajeitar minha vida", deveria liquidar meus bens, comprar um HB20 e alugar um apê de 3 quartos.

É que, nessa faixa etária que me encontro (+- 30 anos), tá todo mundo deslumbrado com o próprio poder aquisitivo e seguindo fielmente o script da inflação do padrão de vida.

Então por mais que eu não me identifique com o extremismo do Jacob, consegui me identificar com ele até certo ponto, e o livro me instigou a me perguntar o que mais posso fazer para reduzir minhas despesas.

E vocês, colegas, costumam pensar sobre isso?

O que acham da ideia de viver uma vida simples, fora do padrão de ostentação que faz a alegria dos vendedores de carros, imóveis e roupas caras?
O que vocês estão dispostos a abrir mão para alcançar a IF mais rápido?

Estão satisfeitos com suas despesas mensais?

Viver uma vida simples seria um sacrifício para vocês?

Aquele abraço!


95 comentários:

  1. Sobre reduzir despesas, no meu caso eu tenho uma planilha de receitas/despesas e acredito que todos deveriam ter.

    Por exemplo, há varias pessoas que fizeram adm na faculdade e sabem "muito bem" gerenciar uma empresa, mas por incrível que pareça, não sabem gerenciar as próprias vidas. Porra, se o carinha trabalha no financeiro da empresa ou na área de contabilidade, ter uma planilha de seus próprios gastos seria a coisa mais simples do mundo, já que uma empresa tem salários dos funcionários, fornecedores, estoque, amortizações, alugueis, etc.

    Se empresas já fazem os planejamentos orcamentarios no final do ano, para decidir quanto irá gastar no ano que vem se baseando nas receitas. Por qual motivo as pessoas não fazem o mesmo?

    Há várias oportunidades de reduzir despesas quando se olha os gastos anuais, como conta de celular, internet, roupas, festas, restaurantes, etc.
    Mas o povo brasileiro, esta acostumado a pensar mensalmente com quase uma ideia de um dia após o outro. As pessoas não sabem quanto ganham anualmente, logo, não sabem quanto gastam anualmente. Se importam mesmo é saber se a parcela cabe no salário, sem se importar ou até mesmo saber que estão as vezes pagando toneladas de juros.

    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Anôn, isso que você citou é bem curioso. Conheço um contador com décadas de mercado e com um certo renome, mas que deve uma grana cabeluda para outras pessoas pois teve que pegar dinheiro emprestado para ser. Acho isso um enorme contrassenso...

      Excluir
  2. Fala Madruga. Gosto muito de ler os blogs gringos e ver como vários deles já atingiram a independência financeira e como fizeram isso. Neste post (http://www.finansferas.com/2017/05/viver-com-50-do-salario-liquido.html) eu exponho que um dos meus objetivos é viver com 50% do salário e guardar o restante. Nesse post tem um link de um blog gringo que ele consegue guardar 85% do salário. E aí você pensa: bom, se esse cara consegue, por que eu não conseguiria? Ocorre que ele está nos EUA e lá o sistema é outro camarada... cupons de desconto, outlets, sistema de transporte que funciona, dentre outros, que facilitam economizar. Agora, adotar um estilo de frugalidade extrema, como o Jacob, acho que á algo para poucos. Abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, Finanstera! Lá a banda toca de uma forma diferente. Pra economizar 85% do salário por aqui, ou você tem que ter um salário absurdamente alto, ou você tem que se mudar para um quartinho em uma favela e se alimentar de miojo...

      Excluir
  3. Não vou julgar o estilo de vida do Jacob, mas se o cara é solteiro, provavelmente não transa, não tem filhos, não tem vícios, não tem carro, não ostenta nada, não viaja, planta parte do que come etc. Dá para viver com salário minimo, nem sei se precisa de IF.

    Não tenho carro, mas não julgo comprar carro como ostentação, embora em muitos casos seja, afinal se o cara tem poder financeiro suficiente para comprar um carro e deseja de fato comprar tá tudo certo. O erro é se endividar por anos para adquirir um bem que não é para o seu bico e pagar uma porrada de juros para bancos.

    Como minha vida é simples nem tenho do que abrir mão, pelo contrário, estou chegando num momento da vida que vou ter que começar a gastar, como imóvel por exemplo. Quem sabe um carro, ou mesmo tentar empreender em algo.

    Aliás se formos depender da RF pra alcançar a IF é como defende o Mestre dos Dividendos, só com aportes extremos durante pelo menos uns 10 anos.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anôn. Se não me engano ele vive com uma companheira no trailer, que provavelmente compartilha do mesmo nível de frugalidade que ele, senão duvido muito que esse relacionamento duraria mais de um mês rs.

      Excluir
  4. Não use "colegas", por favor, parece o Soulsurfer (gosto dele) com ar de artificialidade.

    Gostei do comentário do outro anônimo:
    "Não vou julgar o estilo de vida do Jacob, mas se o cara é solteiro, provavelmente não transa, não tem filhos, não tem vícios, não tem carro, não ostenta nada, não viaja, planta parte do que come etc. Dá para viver com salário minimo, nem sei se precisa de IF."

    Esse estilo dele é extremo mesmo, não funcionaria pra mim. É isso.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente "colegas" é a cara do Soul Surfer. Devo ter sonhado com ele na véspera de escrever o post, rs.

      Abraço!

      Excluir
  5. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Por que não faz logo concurso para auditor?
      Porque fazer para o cargo auxiliar dos auditores.
      Fui auditor hj sou prático, mas acho melhor ser logo auditor, senão mais a frente terá que fazer outro concurso.

      Excluir
    2. Este comentário foi removido pelo autor.

      Excluir
    3. Anon 01:05

      Pra auditor o conteúdo é muito mais amplo. Não sei se conseguiria cobrir tudo, fora o local das lotações...

      Mas é de se pensar. Até já troquei de nick pra deixar em aberto rsss. Enfim, não vou me prolongar aqui no blog do Madruga.

      PS: Madruga, eu mesmo exclui meus comentários anteriores, pois percebi que eram invasivos no seu blog. Desculpe, publiquei apressadamente...

      Excluir
    4. Fala, Concurseiro! Não cheguei a ver seus comentários anteriores então não sei dizer se foi invasivo ou não.

      O que eu posso te dizer é que eu raramente apago comentários aqui no blog, então provavelmente não teria considerado seu comentário invasivo (então fique à vontade pra postar novamente, se quiser).

      Abraço!!

      Excluir
    5. Anôn 01:05, se você realmente está na praticagem, deve ser a pessoa mais rica da blogosfera.

      Abraço!

      Excluir
  6. Olá Seu Madruga!

    O estilo de vida do cara é realmente extremo! Eu confesso que não conseguiria viver assim e acredito que com um pouquinho mais de conforto, ele estenderia o prazo só mais uns 5 aninhos e ainda assim alcançaria a IF bem jovem. Mas o exemplo é bastante interessante.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Wannabe. Eu estava pensando sobre quais são meus requisitos mínimos para viver numa frugalidade extrema e acredito que o que mais me incomodou no lance do Jacob é que ele mora num trailer. Pra mim moradia tem que ser de tijolo, senão não rola, rs.

      Excluir
  7. Olá Seu Madruga,

    Eu conheço o blog do Jacob. Se ele consegui viver assim e é feliz está bom.

    Eu consigo poupar até muito, mas queria mais. O problema é que aluguel aqui na minha cidade é muito caro. Tem como eu baixar mais, mas terei que morar mais longe do trabalho e é que já moro longe. Vi que isso não compensa. Não sou gastador, mas compro tudo o que necessito.
    Em relação as outras coisas eu baixei muito os gastos para conseguir poupar mais.

    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala Cowboy. Dividir apartamento com alguém não é opção?

      Abraço!

      Excluir
  8. Olá Madruga!

    Sobre pensar em reduzir as contas, eu também vivo me questionando no que dá para economizar...

    Porém como agora sou casado, isso não depende só de mim... (o bom é que minha mulher também é frugal)

    Sobre o estilo de vida do Jacob, eu não adotaria.

    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Inglês! Pois é, agora você tem que tomar decisões em conjunto...

      Que bom que a Investidora Inglesa é frugal!

      Excluir
  9. É parabéns ao cara mas não é uma modalidade de vida que eu me colocaria, só mesmo evitar o supérfluo e viver na casa dos pais ou outro familiar até a IF, sempre há que constar que a realidade nos Estados Unidos é diferente da nossa, os jovens de lá sem influenciados a sair da casa cedo e conseguem mesmo assim sucesso, aqui no Brasil, o jovem que sai do lar cedo tá fudido.

    Abraço do Norte.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O Brasil é um país caro. O brasileiro desde cedo tem que ter isso em mente.
      Carros, imóveis, eletrônicos, alimentos integrais, mensalidades de escolas/faculdades etc, tudo é caro em comparação com o poder de compra da maior parte dos brasileiros.
      Morar com os pais é sim um ponto que os jovens devem aproveitar para ter maior poder de aporte. Mas a maioria não faz isso, gastam o pouco que tem com carro, festas entre outros.
      Mas morar com os pais até 35, 40 anos como vemos hoje em dia, e isso já não é algo muito raro, não sei se vale a pena.
      A pessoa perde liberdade, privacidade e fica meio infantilizado em algumas situações.
      O ideal é começar a trbalhar/poupar/investir desde o primeiro salário para que antes dos 30 anos já tenha sido formado um patrimônio razoável.
      Se não for assim, fica complicado e aí há grandes chances de se tornar uma pessoa de 40, 50, 60 anos sem patrimônio prticamente nenhum e vivendo de salário e financiamento em financiamento.

      Excluir
    2. Eu queria ter morado com os pais por mais tempo. É uma mão na roda pois é moradia e alimentação de qualidade e gratuita. Mas saí da casa dos pais muito cedo.

      Concordo com o Anôn, morar com os pais é financeiramente ótimo, mas depois de certa idade fica meio escroto...

      O Anôn disse 35-40 anos, já eu acho que a partir dos 30 já é escroto.

      Abraço!

      Excluir
  10. Ah nao acho que vale a pena fazer isto.

    Ser simples ok, fazer isto, de.forma alguma.

    Equilibrio e a chave de tudo.

    Abraçao

    ResponderExcluir
  11. madruga....

    Eu sempre penso nesse tipo de coisa, onde mais eu poderia economizar. Atualmente eu estou economizando no cinema, ja que eu vou muito assistir filmes eu passei a utilizar cartao de credito que me proporciona pagar meia entrada. Não é uma economia enorme mas, já é alguma coisa.

    Abs.
    EQRP

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Acho que é uma bela de uma economia, considerando que o preço da inteira no cinema é absurdamente alto.

      Na boa, cinema ou eu pago meia ou não vou.

      Excluir
    2. KKKK...boa...euu pago meia(entrada)...
      Mas tratando do assunto dos gastos (bela reflexão), também penso nisso todos os meses e isso vem dando resultados. Gastava em torno de 4mil. Mês que vem a previsão já são 3mil. São 50% das entradas. Quero bater os 2,5mil e ter um bom lastro para aportes...
      Vamos cortando gastos aqui e ali, e vendo que não temos necessidade de muitas coisas com que gastamos. Pra mim, essa é a ideia...ABraço!!

      Excluir
  12. MAdruga ele chegou na IF, mas como vive agora?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Lawyer! Ele vive de uma forma que eu definitivamente não gostaria de viver, rs.

      Excluir
  13. Vemos que o Jacob foi muito esperto também de transformar a saga dele em mídia, e lucrar com isso. Ou seja, além de viver nessa frugalidade extrema ainda gerou uma renda passiva.

    Dando uma olhada no site dele vi as estatísticas do livro:

    $9.99 kindle version
    30,774 books sold

    Ou seja, só com o livro já entraram 300mil doláres hahaha

    Resta saber se toda a história que ele posta no blog é verdade, ou só inspiração mesmo.

    - Mark

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Mark, beleza? Engraçado que quando eu vi isso no site dele, fiz esse mesmíssimo cálculo que você fez, rs.

      Não acho que ele ganhou essa grana toda pois além de ele ter que pagar tributo, a Amazon embolsa uma parte dos lucros.

      Mas ainda assim, se a informação de quantidade de vendas que está no site é verídica, certamente ele ganhou uma bela de uma grana!

      Excluir
  14. Esse negócio de frugalidade extrema é muito pessoal e intransferível. O ideal, como tudo na vida é o equilíbrio. Neste sentido, eu quero compartilhar minha experiência porque eu mesma ainda estou tentando entender uma quebra de paradigmas que decidi implementar.

    Nos últimos anos, desde que comecei a me educar financeiramente, eu vinha levando uma vida frugal, apesar do meu salário ser bem acima da média brasileira. Meu estilo de vida consistia em ter um carro popular, com manutenção barata, e morar em uma quitinete pequena, numa rua sinistra, num prédio comercial de uma grande capital brasileira. Nenhum dos meus amigos entendia como eu consegui morar ali. Mas pra mim, sempre foi o suficiente e eu até curtia essa sensação de morar num cenário do jogo Streets of Rage (do Mega Drive). Era também a vibe do personagem do Eddie Murphy no filme Um Príncipe em Nova Iorque, quando ele decide morar um apartamento podre no Harlem, mas deixa o apartamento super arrumadinho. Enfim... Essa economia ao longo dos anos me proporcionou aportes mensais de 30% a 40% do meu salário. Eu vinha muito bem com esse planejamento até o início deste ano. Ocorre que levei um pé-na-bunda que mudou meus paradigmas. Vejam bem: pela primeira tomei uma decisão de alto impacto financeiro totalmente por impulso e emoção. Comprei um carrão importado (porém, semi novo, pois não enlouqueci completamente) e que, disparado, foi a melhor coisa que eu já comprei na minha vida! Descobri o verdadeiro prazer de dirigir e entendi todo o marketing por trás da sensação de empoderamento que um carro pode proporcionar! Mas, com esse novo carro, fui obrigada a procurar outro lugar para morar, uma vez que o apto podrão não tinha qualquer segurança, muito menos garagem privativa. Então, me mudei recentemente para um imóvel cujo aluguel é 40% mais caro, mas que elevou imensamente a segurança, paz e qualidade de vida. Embora eu tenha agora minha capacidade de aportes reduzida, estou muito mais feliz. O novo combo carro+apartamento me concedeu uma sensação de dignidade que não desfrutava antes.

    Por um lado, esse meu flerte com objetos de desejo típicos da classe média alta deslumbrada vai atrasar minha IF – se é que um dia eu chegarei lá. Por outro lado, se eu morrer amanhã, morrerei tendo aproveitado melhor o que dinheiro pode proporcionar. Não é para isso que trabalhamos, afinal?

    Valentina

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguém pode me explicar o porquê desse medo de "morrer amanhã sem ter aproveitado o melhor da vida", sem que esta explicação passe pela seara religiosa (tipo arrependimento pós-morte, alma sem descanso etc)? As pessoas vivem tentando justificar suas gastanças com este argumento que, a meu ver, não tem nada de racional.

      Se alguém morre, então morreu. Acabou. It's over. Você pode não ter aproveitado nada da vida, mas não sentirá arrependimento algum. Afinal está morto. Agora, os vivos, sim, sentem arrependimento. Passarão necessidade no futuro se não pouparem no presente. Se adoecerem gravemente, precisarão ainda mais deste dinheiro para terem algum conforto e dignidade no tempo que lhes resta.

      Portanto, para uma pessoa racional não-religiosa, trata-se de uma escolha óbvia entre perseguir a IF ou não.

      Excluir
    2. Valentina, agradeço imensamente pelo relato, achei interessantíssimo e me identifiquei em algumas partes.

      Acho que estou na mesma situação que você estava durante sua fase mais frugal, inclusive com o cenário de Streets of Rage, com a diferença que nem carro popular eu tenho.

      Agora estou me perguntando se em algum momento vou passar por essa mudança de paradigma que você passou. A princípio não sinto essa necessidade de mudar, mas nunca se sabe o que a vida nos reserva, não é mesmo?

      De novo, muito obrigado.

      Abraço!

      Excluir
    3. Anôn 16:28, interessante sua reflexão. Realmente, se morrer amanhã acabou e ponto final. A não ser que a pessoa se imagine no paraíso ou em algum outro lugar onde terá a oportunidade de fazer um flashback pra concluir se viveu bem a vida ou não.

      Excluir
    4. Acho que a questão aqui não é uma epifania post mortem. Mas, ao invés disso, é a consciência dos vivos de que o valor do seu trabalho, que foi revertido em dinheiro, foi aplicado não somente para a providência de dias vindouros, mas também para o usufruto do presente. É algo do tipo: "tenho XXX.XXX,XX joesleys no banco guardados para a minha velhice, mas posso nem chegar a envelhecer e morrer aos 33 sem ter usufruído de pelo menos o mínimo que esses dinheiros poderiam me proporcionar". E aí?

      Nem tanto formiga, nem tanto a cigarra. Não estou defendendo uma gastança louca, desenfreada. Talvez a palavra aqui seja temperança.

      Por fim, @SeuMadruga, vale a frase Gasset: eu sou eu e a minhas circunstância ;)

      Valentina

      Excluir
  15. Da pra viver como o Jacob aqui no Brasil sim

    Vc vez ou outra tira umas conclusoes equivocadas pq tem a mania de achar que a realidade do brasil é a realidade do rio de janeiro

    Eu nao te culpo pq todo carioca é assim, acha que o rio é o centro do universo

    Tem muita cidade no brasil com nivel de criminalidade irrelevante onde daria pra meter um trailer, fazer plantacao no quintal e viver igual o Jacob

    Se isso é desejavel ou nao, ai ja é outra história. Tamanho de casa nao é documento pra mim, mas algo que considero indispensavel é que paredes e teto devem ser de tijolos.

    Agua corrente e energia elétrica também.

    Quem mora em trailer, RV, motorhome, sei la qual nome usa hoje em dia, tem uma trabalheira desgraçada pra lidar com os dejetos humanos. Numa casa vc aperta a descarga e o dejeto vai embora. Num RV também, mas o dejeto vai embora para e se acumula em um compartimento que vc cedo ou tarde vai ter que limpar depois.

    resumindo: nem fudendo

    abs

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, Anon. Continuando achando que não dá, rs. Que interior é esse que tem essa paz toda que você tá se referindo?

      Excluir
    2. Madruga, muitos falam do interior de MG. Olha o exemplo desse cara:
      https://youtu.be/R9DRj5ec33k?t=2m7s

      Também tem capitais e regiões metropolitanas mais tranquilos que as merdas do Sudeste.. Aqui em Teresina (PI), embora capital, parece um interior do Sudeste/Sul, dá pra garimpar uns trechos melhorzinhos, mesmo não sendo rico.
      Deve ter outros lugares, é só descartar RJ e SP.

      Tenho que concordar com o Anon, algo como um trailer está fora de questão principalmente pela questão da água, eletricidade e DEJETOS.

      Excluir
  16. Fala Madruga
    Vc já ouviu aquela frase que:" alguns homens vivem pobres para morrerem ricos"

    P.S. Me arranja uma vaga de office-boy no teu escritório, ouvi dizer que vc paga salários exorbitantes.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Melhor ser um jovem que vive frugalmente e ter uma velhice confortável que ser um velho miserável por um passado esbanjador.

      Excluir
    2. Fala, Conde! Se tiver CNH tipo A, a vaga já é sua, rs.

      Abraço!

      Excluir
  17. Tem um livro muito bom chamado "Desejo de Status". Todos nós, no fundo, desejamos ser amados e admirados pelos outros, principalmente as pessoas próximas. Eu vou mais além: amamos ser invejados.

    Optar por uma vida frugal ao extremo, onde o menos é sempre mais, é um desafio ao desejo de status e ao desejo de ser amado.

    Eu lembro que era muito nítido no antigo blog do Pobreta este conflito extremo por parte do autor: por um lado o Pobreta queria chegar à IF o mais cedo possível. Como? Com uma vida frugal, cortando custos. Por outro lado ele odiava a vida frugal que tentava levar e morria de inveja dos outros, inclusive dos que ostentavam mesmo ganhando bem menos que ele.

    Todo o blog do Pobreta era em torno deste conflito, que acabava atraindo pessoas negativas, mal humoradas e até algumas, digamos, meio barra pesada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Anôn! De fato esse conflito era muito claro no blog do Pobreta! Acho que esse sentimento conflitante afetava bastante ele.

      Mas eu gostava muito do blog, era uma ótima fonte de entretenimento, e espero que o Pobreta esteja bem.

      Abraço!

      Excluir
  18. É Possível, mas eu não me colocaria em uma dessas, apesar de viver uma vida comum com gastos de R$ 2.500,00 mensais, em média, tenho ambição de melhorar meu padrão de vida, não apenas com luxos ou supérfluos, mas principalmente com qualidade de vida como alimentação com orgânicos (já consumo uns 70% do total em orgânicos), viagens, ajudar familiares e talvez morar no exterior (US ou Suíça).


    Pelos meus cálculos, considerando um rendimento anual líquido de 4% (consigo mais) vi que conseguiria viver 21 anos sem trabalhar, mantendo o padrão de vida... seria interessante descansar, mas tenho receio de perder boas oportunidades de crescer mais... outro ponto é que a cada mês aporto em torno de R$ 7.500, ou seja, cada mês de trabalho consigo viver e garantir mais 3 para o futuro, sem contar os rendimentos, meu patrimônio está crescendo exponencialmente, então não dá coragem de lagar tudo e ir curtir a vida, mesmo quando o trabalho fica muito estressante...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É Anôn, com um aporte bom desses eu também não teria coragem de largar o trabalho...

      Excluir
  19. Olá, Seu Madruga!

    Eu fui de um ponto ao outro do fim do ano passado pra cá. Gastava meu salário todo com refeições fora de casa, roupa, perfume, maquiagem, calçados e uma pá de coisas que eram legais de comprar e dias depois viravam tralhas. Depois que me enrolei com meu cartão de crédito resolvi tomar consciência dos meus gastos e resolvi seguir um estilo de vida mais frugal. Estou longe de ser minimalista, apesar de gostar do conceito, mas tenho usado só o que tenho e evitado comprar coisas desnecessárias. O melhor disso: não estou sofrendo. Consigo poupar 55% do meu salário (moro com meus pais e não tenho carro), sendo que a maior parte dos 45% é pra ajudar nas contas de casa, me restando "pouco" pra gastar comigo mesma. Não gasto porque não preciso mesmo. É muito bom precisar de pouco pra estar feliz, é libertador.

    Um abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Essa é a vantagem de se morar com os pais e ter consciência financeira, o aporte acaba sendo elevado mesmo.

      Excluir
    2. Jac,

      a minha realidade eh a mesma q a sua, msm eu sendo mais velho kkkk. Mas, eh bom demais.

      Abs.
      EQRP

      Excluir
    3. Pô pessoal, depois dessa me deu até vontade de voltar a morar com os pais, rs. Infelizmente pra mim isso não é possível.

      Jacqueline, que mudança, hein? Essa evolução na forma como lida com dinheiro só vai te fazer bem...

      Excluir
  20. Sou a favor da poupança extrema em alguns momentos da vida, curtos, pra acelerar a obtenção de algum objetivo, porém acho que o Jacob mente ou exagera, pois nos USA só vive assim quem recebe segurança social, ou seja, ele se aposentou como mendigo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele não parece mentir. Mas vive mesmo como um mendigo. Tem que planejar com grande antecedência qualquer gasto básico, dependendo de doações ou encontrar objetos no lixo. Até a reposição de um eletrodoméstico quebrado vira uma epopéia. Péssima decisão para um cara tão qualificado.
      Sou favorável à frugalidade. Já a frugalidade extrema, apenas para acelerar a IF, não como estilo de vida definitivo.
      Detesto trabalhar, mas entre trabalhar 3 anos e me aposentar como mendigo e trabalhar 6 a 10 anos e me aposentar dignamente, não teria a menor dúvida de que ficaria com a segunda opção.
      O Jacob FIsker parece feliz por ter escolhido a primeira alternativa, mas eu ainda prefiro juntar mais para ter a opção de testar um estilo parecido e ter o direito de depois me arrepender.

      Excluir
    2. Fala, CF!

      Não sei dizer se ele mente ou não. De fato ele é um cara qualificadíssimo como disse o Anôn, então presumo que tenha conseguido juntar uma boa grana durante o período em que trabalhava ativamente.

      Uma coisa é certa: se um dia ele cansar do estilo de vida que leva, não terá tanta dificuldade assim em se reintegrar ao mercado de trabalho.

      Então ele tem essa vantagem que o brasileiro não tem: se ele "cansar de ser hippie", é muito fácil voltar a se tornar um "ser humano normal".

      Abraço!!

      Excluir
  21. Seu Madruga, o Jacob é bem roots, é um hippie moderno.

    Começando pelo começo: Ele é dinamarquês, muito bem educado, fala várias línguas, é físico nuclear e já trabalhou em grandes empresas.

    Morar em Bay Area, onde o trailer está, é extremamente caro se vc for morar num AP. O trailler está muito bem localizado, é como você morar num trailler nos Jardins em SP ou num trailler no Leblon no RJ (tá mais pra Leblon pois Bay Area é Bay Area).

    Claro que os EUA dão certa segurança a mais pra morar num trailler, no Brasil, impossível. Você tem que adaptar as coisas para a sua realidade. Jacob é feliz na cabeça dele e na auto-ilusão que ele criou pra si. Mas não somos todos assim? Você cria um modelo de vida e felicidade e busca ele.

    Mas será que o pescador que mora lá em Jericoacoara e vive com 900 reais por mês não é mais feliz do que gente que mora na paulista e ganha 20k por mês? Tudo é relativo.

    Se o cara precisar morar em bairro chique e andar de blindado pra achar que é feliz tá perdido! Morar num lugar caro, ap de alto padrão, carro blindado, babá e diarista, dá quanto por mês de despesa? Fora a esposa? Quero nem pensar nessa prisão, por baixo uns 35k mensal direto no lixo. Olha só a pressão em cima do ser humano.

    O Jacob deve dormir igual um bebê toda noite.

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Excelente ponto de vista! Concordo integralmente.

      Excluir
    2. Junto-me ao Anôn acima pra dizer que concordo plenamente. Excelente comentário!!

      O Jacob criou uma filosofia que permite com que ele seja feliz com bem pouco.

      Acho essa filosofia dele bem extrema e jamais conseguirei pegar esse mindset emprestado pra aplicar na minha vida.

      No entanto, se tem algo que se revelou útil na leitura desse livro, é o fato de que posso criar minha própria filosofia e encontrar felicidade nela.

      Abraço!

      Excluir
  22. Fala SM, como disseram ai em cima, ser simples e não ostentar tudo bem, viver de avareza como o Jacob não dá, o cara não vive. Viajar, comer algo que tenha vontade de vez em quando faz parte, sem exageros é claro !!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é Stifler, eu teria bastante dificuldade em viver a vida desse cara, especialmente no quesito comida.

      Li em algum lugar, não sei se no livro ou no blog, que durante um período ele se alimentava apenas de atum e banana.

      Coisa de louco!

      Excluir
  23. Seu madruga eu investi num site onde promete ao menos 18% em 90 dias , fiz todos os testes e recuperei o que investi mais o valor prometido.

    Sem taxa, entretanto é bem estranho um site pagar alta rentabilidade.

    Veja a minha alcateia e nos diga o que acha?

    https://painel.alcateiainvestimentos.com/painel/wolf/wgmachado

    ResponderExcluir
  24. Extremo demais pra mim. Gostei dos comentários da Valentina e do anon 16:28.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Extremo demais pra mim também, rs. Mas tem umas coisas no livro dele que gostaria de incorporar na minha vida. Vou escrever sobre isso em breve...

      Abraço!

      Excluir
  25. Fala Madruga, cara, complicado ter uma vida baseada em extremos, até mesmo porque nem teria felicidade para buscar a IF, parabéns para esse maluco!
    Enquanto, tento diminuir meus gastos, que são razoáveis, e busco aumentar meu salário, acho que esse é o caminho.

    abs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Beta, tudo bem? Também tento seguir por esse caminho de redução de gastos e aumento da receita (tá foda conseguir aumentar a receita, mas tudo bem...).

      Abraço!

      Excluir
  26. Seu Madruga,

    É complicado hein ... tento levar a minha vida numa média ... nem 8 nem 80 ... é legal poupar o máximo para poder aposentar cedo .. sim .. é sensacional .. mas .. e se .. vc passar dessa pra melhor amanha? adiantou fazer tantos sacríficios pra a "aposentadoria"? Obviamente, o modelo, viva la vida loka tb é foda ...

    Abs,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Rodolfo! Pois é cara, eu não gostaria de viver uma vida como a do Jacob, especialmente porque ele não viaja.

      Abraço!

      Excluir
  27. Madruga, quero fazer meu blog de finanças!!
    O que me aconselha?
    Como participar do ranking?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Anôn! Tudo bem?

      Cara, manter posts regulares num blog exige um certo grau de esforço e pouca recompensa.

      A única recompensa, na verdade, é receber um feedback legal da galera.

      Minha sugestão é que você crie seu blog e comente bastante no blog dos outros, pra marcar presença na blogosfera.

      É "aparecendo" no blog dos outros que o seu blog vai ganhando visibilidade.

      No mais, se depois de uns meses blogando você perceber que realmente gosta da coisa e que conseguirá manter seu blog vivo por bem mais tempo, peça ao Mestre dos Centavos por uma vaga no ranking que ele posta mensalmente.

      Outros blogueiros também têm ranking, mas não sei quem são, rs. Acho que o do Mestre dos Centavos é o que tem maior visibilidade mesmo.

      Abraço e boa sorte!

      Excluir
  28. Madruga,

    Realmente o cara é extremo.

    Com tantos produtos disponíveis e tanto conforto à disposição nos dias de hoje, abdicar de tudo isso me parece loucura.

    Quantos anos de progresso tecnológico e inovação para termos acesso a coisas que nem um rei medieval sonhou...

    Abraço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Magrão!

      Fico pensando sobre isso.

      Acho que ele desapegou tanto de bens materiais que não sente mais esse sentimento de abdicação que nós sentimos quando lemos sobre o estilo de vida dele.

      Por exemplo, quando eu escrevi o post com 5 dicas para viver sem carro, algumas pessoas consideraram viver sem carro um enorme sacrifício.

      Ora, eu não tenho esse sentimento de sacrifício dentro de mim em minha vida sem carro, então o que aos olhos dos outros é abdicação, pra mim é apenas um dia normal, sem qualquer sentimento de sacrifício.

      Então esse sentimento de abdicação é relativo, no fim das contas. O que eu me pergunto é o quanto eu consigo baixar meu custo de vida sem sentir que estou me privando das coisas.

      Abraço!

      Excluir
    2. Madruga,

      Interessante seu ponto. Refletindo aqui sobre isso ampliou minha visão.

      Realmente, só abdicamos de algo se sentimos falta. Se nunca tivemos algo então nem há de se falar em abdicar. Mas se já tivemos algo e abdicamos, mas com o tempo nos acostumamos sem aquilo, não é mais um sacrifício, vira algo normal.

      Seu post do carro expõe isso mesmo. Eu tinha lido mas não tinha captado.

      Abração!

      Excluir
  29. Beta é foda mesmo o cara vive que nem um mendigo e acha que juntando Milão por mês vai ficar milionário em 30 anos simplesmente o cara irá jogar a juventude dele fora

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mas ele vive nos estados unidos e aqui é o Brasil a terra que é praticamente impossível ficar rico mas felizmente meu projeto de ficar bilionário está quase pronto um bilionário de Hong Kong e um magnata chinês querem comprar a patente por 1 bilhão de dólares mas eu ainda não aceitei as ofertas pois eu acho que aparecera mais magnatas interessados na minha ideia já que ela será muito útil á empresa deles pois tem empresários norte americanos que se interessaram na ideia e ja sabem do preso que os asiáticos querem oferecer ou seja eles(empresários norte americanos) irão oferecer o dobro do valor já recusei a oferta de um bilionário britânico ele falou que vai oferecer um preço justo na minha ideia é ela irá analisar a oferta dos empresários asiáticos e norte americanos e oferecerá o mesmo valor ou até o dobro

      Excluir
    2. Rapaz... lembra do seu amigo Madruguinha aqui quando ficar rico!

      Excluir
    3. Jubileu bate a cabeça. 1 bilhão de dólares.

      Mais um rica games da vida, que vive de ilusão.

      Excluir
  30. O conservador não mangina se chama Rodrigo vamos destruir ele

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. metade dos brasileiros nascidos nos anos 80 tem esse nome, rs

      Excluir
  31. O EEE é um blog bem legal, como diz o nome, o estilo de vida dele é meio extremo, mas há muita sabedoria em seus ensinamentos.

    Se você for observar, ele realmente avalia o valor das coisas antes de querer gastar, me lembro que ele não tem miséria para investir em peças de qualidade para a biclicleta dele.

    Por óbvio, não da para repetir o que ele faz aqui no Brasil, é igual o que o Corey diz, viver no Brasil é caro demais!

    Adicionei teu blog no blogroll do meu,
    Abs!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente. Ele tem uma visão muito interessante sobre compras. Tudo que ele compra, já compra pensando no dia em que vai vender, e não ficar com aquilo pra sempre. Haja desapego!

      Excluir
  32. Fala madruga! Pesar o ponto dessa frugalidade é a chave do sucesso, pq sendo sincero, eu vivendo em da forma que ele vive, ficaria depressivo. Na minha opinião, algumas coisas, de forma dosada, devemos fazer justamente para dar mais folego na corrida da IF

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fala, Almofadinha!

      Acho que eu ficaria bem insatisfeito se vivesse como ele, mas no livro tem várias dicas boas que pretendo incluir na minha vida.

      São coisas pequenas, como por exemplo fazer seu próprio sabão pra lavar roupa. Se somar o monte de pequenas dicas que ele dá ao longo do livro, dá pra economizar uma graninha.

      Abraço!

      Excluir
  33. Mto bom Madruga.
    Tento manter o foco em aumentar a receita!
    Meu trabalho é de boa (nem sempre foi assim com os anos transformei ele nisso) e minha vida sempre muito econômica.
    Acho que se eu precisasse viver como o Jacobe seria fácil, nunca liguei para essas coisas extra mesmo. Na minha visão de mundo tenho uma ambição pelo meu desenvolvimento ai o foco não fica em sobreviver e sim ter mais conquistas pessoais, e ter aquele sentimento no final do dia: Estou construindo algo.
    Um abraço Madruga.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. acho que eu só não gostaria de viver como ele por conta do lance de morar em trailer... isso pra mim é intragável.

      abraço!

      Excluir
  34. Estou com 110k! Decidi me exonerar do emprego público (concursado) para estudar e passar em medicina nalguma federal. Moro com meu pai e consigo ser extremamente frugal, a exemplo do Jacob!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Quase 5k líquido! Continuo no trabalho, mas com aquela sensação de morte em vida!

      Excluir
    2. anon 15:36 deve trabalhar em Tribunal. Todos descrevem o trabalho lá assim, contam os dias pra se aposentar daquela merda

      Excluir
    3. Tá com cara de trabalho em tribunal mesmo.

      Mas Anôn, tem que ter muita coragem pra pedir pra sair de um cargo público que paga R$ 5k líquidos. Se você realmente tem essa coragem, meus parabéns.

      Abraço!

      Excluir
  35. É incrível como esse Jacob tem a cabeça totalmente fora da Matrix, ao contrário de 99,9% dos hippies, que tentando fugir do sistema acabam mergulhando de cabeça e dependendo dele mais ainda.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade! O cara tá mais fora do sistema do que muito hippie que se diz fora do sistema.

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...